No universo das joias, as pedras preciosas em geral são muito admiradas e sempre que aparecem em alguma peça facilmente tornam-se protagonistas daquela produção. Brilhantes e diamantes são os queridinhos dos apreciadores de joias. Por serem clássicos e agradarem quase à unanimidade, encontram lugar de destaque em joalherias e também no mercado.

Porém, uma dúvida muito comum, compartilhada por muitos admiradores de joias, surge: qual seria então a diferença entre brilhantes e diamantes? É isso que você vai descobrir no post de hoje. Vamos lá?

As diferenças entre brilhante e diamante

DIAMANTE_BRUTO

Os termos brilhante e diamante são utilizados como sinônimos no Brasil, porém, não é a maneira mais adequada de aplicação desses termos, uma vez que todo brilhante é um diamante, mas nem todo diamante é um brilhante. Ficou confuso? Vamos lhe explicar!

De maneira simplista, diamante é a pedra em si, enquanto brilhante é o estilo de lapidação específico dado àquele diamante. O diamante redondo com lapidação de brilhante é o nome “completo” dado aos brilhantes que, por simplificação, são chamados apenas de brilhantes cotidianamente.

O brilhante é um tipo de lapidação específica do diamante. Esse corte possui 58 facetas, de maneira a aproveitar ao máximo as qualidades óticas do diamante, proporcionando o brilho máximo.

É preciso saber diferenciar!

Essa lapidação foi desenvolvida por Henry Morse e Marcel Tolkowsky e é, hoje em dia, a lapidação mais comum em todo o mundo, justamente por destacar o que a pedra tem de mais belo: o seu brilho. Saber a diferença entre brilhantes e diamantes é uma informação preciosa para os consumidores dessas joias

É comum no mercado, tentarem vender diamantes com a lapidação “oito oito” no lugar de brilhantes. Essa é uma lapidação comum em pedras menores e que possui menos facetas e, consequentemente, o brilho dessa joia não será tão intenso quanto o de um brilhante.

O brilho do diamante é potencializado pela lapidação brilhante, justamente por suas 58 facetas não paralelas, em formato de losango e convergência radial. Qualquer alteração em uma dessas características influenciará no brilho da pedra.

A lapidação

LAPIDACAO

Esse tipo de lapidação também pode ser utilizado em outras pedras preciosas. É possível, dessa forma, a lapidação brilhante em uma turmalina, topázio ou granada, por exemplo, o que não torna essa pedra um diamante. A única gema que pode ser chamada de “brilhante” são diamantes redondos com lapidação brilhante.

Diamantes com outras lapidações, em degraus, por exemplo, independentemente do tamanho ou formato, não são brilhantes, pois esse é um projeto de faces paralelas, sem as facetas losangulares e convergência radial tipicamente encontradas nos brilhantes.

Quando outras gemas, que não os diamantes, são lapidadas seguindo o estilo brilhante, recebem outro nome, como por exemplo, “turmalina redonda lapidada no estilo brilhante”. Com a enormidade de pedras preciosas, inclusive brasileiras, qualquer pedra com a lapidação que siga esse projeto é uma boa escolha para sua joia.

Uma lapidação tão bela quanto o brilhante é capaz de potencializar o brilho, sofisticação e elegância de qualquer pedra, seja essa um diamante ou outra pedra preciosa. Aposte nessa lapidação, seja em brincos,anéis de noivado, colares ou acessórios para noivas. Sem dúvidas, o efeito será “brilhante”!

Você já conhecia essa diferença? Ficou com alguma dúvida? Compartilhe com a gente e não se esqueça de curtir nossa página no Facebook para ficar por dentro das nossas novidades!

 

Aproveite para baixar um de nossos e-books com dicas exclusivas!Banner Chat Sugerido 3

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *