cadmio_chumbo1

As joias estão entre um dos presentes favoritos de mulheres de todas as idades e gostos. No entanto, é preciso muito cuidado na hora de aquirir essas peças. No dia 22 de janeiro de 2016, saiu uma portaria do Inmetro alertando sobre as quantidades de cádmio e chumbo de várias mercadorias importadas que são vendidas aqui no Brasil.

Não são apenas as joias que foram os alvos da investigação. As bijuterias, também muito consumidas, pelo seu preço mais acessível, também apresentavam valores elevados desse dois metais pesados e que fazem mal não apenas para o meio ambiente, mas também para a nossa saúde. Entenda mais sobre esses metais e sobre os perigos que eles apresentam:

cadmio

Eis aqui um dos metais mais tóxicos da tabela periódica. O cádmio é empregado na fabricação de pilhas, sendo ele um dos motivos pelos quais esses objetos devem ser descartados em lixeiras especiais.
O cádmio é sólido em temperatura ambiente, porém é facilmente maleável, podendo ser cortado com uma faca. Este é um dos motivos pelos quais ele é bastante usado na fabricação de ligas metálicas para joias. Essa é uma das grandes preocupações dos órgãos controladores.

Não é qualquer quantidade de cádmio que faz mal para a saúde. A toxicidade dessa substância não é muito significativa em contato com a pele já que há baixa absorção. O problema está quando as taxas dele nas joias fica acima do recomendado que é de 0,01%. Vários são os tecidos orgânicos que podem ser danificados pelo metal: os rins, sistema ósseo, testículos, sistema nervoso e sanguíneo.

chumbo

Outro metal que é bastante maleável em temperatura ambiente. Ele é extremamente tóxico e amplamente utilizado na construção civil e em baterias de ácido. O chumbo também é utilizado nas ligas metálicas colocadas em joias e bijuterias. O valor máximo de chumbo nos acessórios não deve ultrapassar o valor de 0,03%.

A toxicidade desse metal vai depender de alguns fatores como idade, tempo de exposição e saúde do indivíduo. Um alerta fica para as gestantes: a exposição ao chumbo nos acessórios podem causar prejuízos no desenvolvimento motor e neurológico do feto.

Precauções

Segundo o Inmetro, não há a necessidade de fazer o descarte de todas as bijuterias e joias que já tenham sido compradas. É preciso um longo tempo de exposição do corpo a essas peças. Porém, o problema é que os metais se acumulam no organismo com o passar do tempo.

Sendo assim, é melhor prevenir do que remediar. É por isso que quando um vendedor importa mercadoria que ultrapassa os valores recomendados, deve mandar de volta para o país de origem.

Compra segura

Tanto o cádmio quanto o chumbo são utilizados para dar mais brilho e maleabilidade à peça. Essa combinação também consegue oferecer ao consumidor um custo muito abaixo quando comparado a peças que não possuem a liga.

Não há uma forma concreta, uma receita pronta para reconhecer uma joia ou bijuteria que possui metais pesados. Portanto, a melhor maneira de evitar comprar esses tipos de peças é adquirindo acessórios em lojas reconhecidamente confiáveis e que já estão consolidadas no mercado.

Outra dica é optar por lojas que fabriquem as suas próprias peças ou que tenham, na etiqueta, o local de onde elas foram importadas. Por exemplo, o continente europeu e os EUA possuem um rigoroso controle nesses casos. A maioria das peças com elevado teor de cádmio e chumbo vieram do continente asiático.

E então, nosso post te ajudou? Quer receber mais dicas como essa e ficar sempre por dentro de tudo sobre joias e pedras preciosas? Assine a nossa newsletter!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *