DIAMANTE_DESTACADA

Com certeza os diamantes são um verdadeiro sonho de consumo para muitas mulheres. A beleza da pedra ainda vira a cabeça do universo feminino e faz com que os parceiros se esforcem muito para conseguir presenteá-las com uma! Mas… ao decidir comprar um exemplar, você não vai querer uma pedra de má qualidade, não é mesmo? Assim, para não errar na compra é muito importante entender sobre a graduação de diamantes. Continue lendo nosso post e descubra!

Subdivisões

DIAMANTE_4CS

Os diamantes são subdivididos em quatro categorias conhecidas como os 4Cs. Para uma análise de reconhecimento de qualidade, considere quatro requisitos principais: o Carat (quilates), a Cor, o Corte e a Claridade. Essas categorias definem quais são os diamantes mais valiosos, lembrando que os diamantes coloridos seguem outro critério de avaliação. Conheça agora os requisitos de qualidade de um diamante:

Carat

Carat é uma palavra em inglês que equivale ao quilate, em português. No caso do diamante, ele deve ter 1/5 de grama, ou seja, 200 miligramas. Como o mundo dos diamantes contém pouquíssimos exemplares com mais de 1 quilate, uma convenção mundial determinou que cada quilate equivale a 100 pontos. Essa é uma medida usada para relacionar o tamanho das pedras e, por consequência, o seu valor. Assim, quanto maior a pontuação, mais valiosa ela será.

Cor

Um diamante é mais valioso quando tem sua cor o mais próximo possível do incolor, transparente. Existe uma classificação internacional para determinar a cor do diamante em todo o mundo, conferindo maior controle a esta medição. Nesse caso, a medição vai da letra D à letra Z, sendo a letra D o diamante mais incolor encontrado.

Corte

A medição feita por corte é mais complexa de entender. No português está relacionada à lapidação, que é uma característica importantíssima para definir o brilho dos diamantes. O corte fica nas mãos dos lapidadores e é firmado em três principais requisitos: a luminosidade, o fogo e a cintilação.

O primeiro deles, a luminosidade, mede a capacidade que a pedra tem de fazer com que os raios solares sejam refletidos. Já o fogo considera a chamada de brilho, enquanto que a cintilação é uma mistura dos dois primeiros: os flashes de luz e o brilho provenientes dos diamantes quando eles se movem. Esses são atributos consideráveis que conferem muito valor a um diamante.

Claridade

Por fim, a claridade (ou a pureza) dos diamantes é a análise de quantas inclusões existem na pedra. Como é formada no interior da Terra, o diamante pode ter inclusões internas ou manchas externas, que são muito comuns. Quanto maior a quantidade de marcas, mais a pedra é desvalorizada, enquanto que quanto mais “limpa”, mais cara ela será.

Essas e outras medições seguem o padrão internacional da Escala de Gradação de Cor do Instituto Gemológico da América (GIA). Depois de uma alteração em seu banco de dados, o instituto invalidou recentemente mais de mil avaliações de diamantes, conferindo mais controle à medição de qualidade. Assim, os diamantes são enviados para verificações sempre que não correspondem ao relatório original.

Se você quiser saber mais sobre o valor das pedras preciosas em geral, não deixe de também ler essa postagem que compartilhamos aqui. E, claro, não perca a chance de compartilhar abaixo suas dúvidas e/ou experiências sobre a graduação dos diamantes!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *