banner-3

São incríveis as maravilhas que o mundo tem e que ainda são pouco conhecidas. As gemas são belas pedras usadas na confecção dos mais variados tipos de joias.

Escondidas na natureza bruta, as pedras preciosas mais raras do mundo são cobiçadas e viram itens de desejo se combinadas a um belo design.

A seguir, conheça algumas dessas raridades.

 

Benitoíte

Esta pedra azul impressionante só foi encontrada perto das águas do rio San Benito, na Califórnia. Um das características mais marcantes é sua cor azul incandescente sob uma luz UV.

File:Rosasite-rosa11a.jpg

 

Grandidierite

Este mineral verde-azulado é encontrado quase que exclusivamente em Madagascar, embora o primeiro – e único – espécime facetado tenha sido recuperado so Sri Lanka. Pode transmitir as cores azul, verde e branca.

 

Jeremejevite

Descoberta pela primeira vez na Sibéria no final do século XIX, desde então cristais deste mineral com qualidade de gema (grandes e claros o suficiente para serem cortados) só foram recuperados em suprimentos limitados na Namíbia.

 

Poudreteita

Os primeiros vestígios da gema foram descobertos em meados da década de 60 na pedreira Poudrette de Mont Saint Hilaire, em Quebec, no Canadá. No entanto, o mineral não foi reconhecido oficialmente como uma espécie até 1987 e não foi detalhadamente descrito até 2003.

 

Painita

Em 2005, o Livro dos Recordes Guinness reconheceu a painita como a pedra preciosa mais rara do mundo. Descoberta em Mianmar pelo mineralogista britânico Arthur C. D. Pain na década de 50, por anos apenas 2 cristais do mineral foram conhecidos na Terra. Hoje já não é tão rara quanto costumava ser.

 

Musgravite

Este mineral foi descoberto pela primeira vez em 1967 no sul da Austrália, mas também foi encontrado em suprimentos limitados na Groenlândia, Madagascar e Antártica. Os primeiros espécimes realmente grandes e puros o suficiente para serem cortados não foram relatados até 1993. Até 2005, apenas 8 espécimes desse mineral eram conhecidos.

 

Tanzanita

Há quem diga que a tanzanita é mil vezes mais rara que o diamante, sendo encontrada quase que exclusivamente no sopé do Monte Kilimanjaro, em suprimentos limitados. Apresenta mudanças de cores dramáticas que dependem de condições como a orientação do cristal e sua iluminação (mais para o azul, roxo ou vermelho), que são, em grande parte, devido à presença de íons de vanádio.

 

Berilo vermelho

Também conhecido como “bixbite”, “esmeralda vermelha” ou “esmeralda escarlate”, foi descrito pela primeira vez em 1940. A distribuição conhecida do mineral é limitada a partes de Utah e Novo México, nos Estados Unidos, e ele tem-se revelado extremamente difícil de minerar de forma economicamente viável. Consequentemente, os preços dessa gema chegam a atingir até US$10 mil (cerca de R$30 mil, no câmbio atual) por quilate de pedra cortada.

 

Alexandrita

A gema é famosa pela sua peculiar propriedade óptica – pode mudar dramaticamente de cor dependendo do tipo de luz que incide sobre ela, mudança essa independente do ângulo de visão de quem a está observando. Por exemplo, na luz solar natural, a gema parece azul-esverdeada, mas na luz incandescente parece roxa-avermelhada. Sua propriedade de mudança de cor e sua relativa escassez são devidos a uma combinação extremamente rara de minerais que inclui titânio, ferro e cromo.

 

Quer saber mais sobre o assunto? Leia também:

Gemas preciosas: saiba como são formadas gemas raras e coloridas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *