precious-brazil-hong-kong

De 13 a 19 de setembro acontece a Hong Kong Jewellery & Gem Fair, um dos eventos mais importantes do setor de joias e pedras preciosas do mundo. Realizada há mais de 30 anos, a iniciativa chega a atrair quase 60 mil visitantes e mais de 3 mil expositores, inclusive do Brasil, que participará em 2017 com 37 empresas apoiadas pelo projeto setorial Precious Brazil, do Instituto Brasileiro de Gemas e Metais Preciosos (IBGM) em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil).

Hong Kong representa 14% de todas as exportações das empresas apoiadas pelo projeto setorial. Considerando o total das exportações de gemas, joias, bijuterias e folheado para o país, mais de 85% são atribuídos às empresas do Precious Brazil. De janeiro a julho de 2017, o Brasil exportou mais de 12 milhões de dólares para a província, sendo que 10 milhões são atribuídos às empresas do Precious Brazil. Para Márcio Duarte, diretor comercial da Duarte & Bastos, empresa mineira do ramo de comercialização de gemas, a feira é uma importante ferramenta de promoção e reúne todo o mercado em um só local. “Essas empresas estão dispostas a fazer negócios”, explica. “Neste sentido, todo esforço e investimento da Apex-Brasil por meio do projeto setorial Precious Brazil, nos incentiva e nos ajuda a alcançar nossos objetivos”.

André Luiz da Silva, presidente da Empire Industries, acredita que o projeto traz para a empresa novas perspectivas no comércio internacional de gemas e joias. “O setor certamente se beneficiará das ações promocionais adotadas pelos nossos apoiadores que geram, imediatamente, expectativas de melhoras nas vendas”, fala mencionando Hong Kong. Para Julio Antonio Miranda Costa, sócio proprietário da MCGemas, a feira asiática tem tudo para ser a melhor dos últimos anos. “Estamos sentindo um aquecimento no mercado de pedras, que vinha abatido pela crise internacional”, diz.

Para Manuela Soares, sócia da Art Ouro & Gemas, a expectativa é que o Precious Brazil crie um identidade para o segmento de joias e pedras preciosas para fortalecer o setor. “Resgatando a imagem de país produtor de gemas raríssimas e cheias de vida e cor, a iniciativa fortalecerá o nosso posicionamento de mercado e valorizará o que temos de mais raro para apresentar ao mundo: as nossas gemas de cores vívidas e a nossa incrível lapidação”, argumenta. Murilo Graciano, proprietário da JG Stones, finaliza: “O projeto Precious Brazil caminha junto com os empresários brasileiros para o sucesso nas feiras internacionais”.

A Hong Kong Jewellery & Gem Fair é dividida em dois espaços de acordo com o perfil dos expositores. O Hong Kong Convention & Exhibition Centre (HKCEC) abriga empresas de joias, embalagens, ferramentas e equipamentos e é o espaço que receberá as marcas Donna Si e Miranda Group. Já a AsiaWorld-Expo (AWE) expõe empresas de matérias-primas, incluindo diamantes e pedras-preciosas, e será palco das exportadoras Aro Gemas, ArtOuro & Gemas, BC Gemas do Brasil, Belmont, Ben Sabbagh Bros, Beryno, Bezim Gems, BGC Brazil, Canelhas, Duarte & Bastos, Duarte & Duarte Gems, E & E Gems, Empire Industries, Gemextra, Itakolor, JG, JS Gems, Manoel Bernardes, Manoel Nogueira, Marupiara, MC Gemas, Mineração Terra Branca, Nevesgems, OTF Gems, Peter Valicek, PinkStone, PM Carvings by Peter Muller, Premier Gems, R & R Gems, R Figueiredo Brazilian Gemstones, RC Gemas, Stone World, Tanios Stones Import & Export e Tavares Gems.

Há mais de 10 anos na Hong Kong Jewellery & Gem Fair, a empresa especialista em gemas coloridas ArtOuro & Gemas apresenta pela primeira vez em uma feira quatro novas pedras de seu portfólio, que ganham destaque pela raridade e lapidação. São elas: a turmalina bicolor, de 36,40 cts; a turmalina paraíba, uma rara gota de 8,19 cts com certificado GIA; a gota de água-marinha com cerca de 20 cts de azul único; e a gota de rubelita vermelho sangue de 9 cts.

A Belmont é hoje um das maiores e mais modernas minas do mundo e pioneira no uso da tecnologia de seleção óptica para o setor de gemas. A empresa compreende todo o processo, desde a extração até a venda da pedra lapidada para o mercado joalheiro. Em Hong Kong, a marca expõe uma vasta coleção de esmeraldas de vários preços e tamanhos. “Apresentaremos nesta feira uma produção novíssima com pedras de alta qualidade, que estarão sem sombra de dúvidas, entre as mais belas da feira”, conta o superintendente Marcelo Ribeiro.

No segmento de joias, a marca Donna Si combina criatividade e sofisticação para peças feitas à mão inspiradas na forte tendência do crochê. Os brincos, aneis e pulseiras da marca são elaborados com fios de ouro e pedras semi-preciosas, lançando um novo conceito baseado em design, qualidade, criatividade e valor.

A Duarte & Bastos apresenta em Hong Kong Jewellery & Gem Fair uma grande variedade de pedras preciosas como águas-marinhas, turmalinas e rubelitas, e aposta em seu rígido controle de qualidade, que vem desde a extração até a classificação das pedras lapidadas, para encantar os seus clientes, que adquirem gemas verdadeiras e de alta qualidade, formadas, cortadas e lapidadas com base em critérios internacionais de design.

O topázio imperial, uma gema extremamente rara, de difícil mineração e alto custo, produzida unicamente no município de Ouro Preto, em Minas Gerais, é a protagonista da empresa Empire Industries, que apresenta em Hong Kong pedras com uma lapidação exclusiva chamada de Empire Cut desenvolvida em parceria com o designer de gemas Adriano Mol. O destaque vai para o anel criado pela parceria do designer de gemas e do joalheiro Dorion Soares.

A JG Stones dá destaque para duas pedras de seu portfólio em Hong Kong: o valioso topázio imperial, ou “the majestic of Imperial Topaz”, e a água-marinha, também chamada na empresa de “the vivid blue of Santa Maria Aquamarine”.

Empresa com mais de 30 anos de experiência no mercado de gemas naturais brasileiras, a MCGemas destaca em Hong Kong a gema kunzita, com 195 cts, e a rubilita, pedra vermelha com lapidação orgânica e design diferenciado.

A Peter Valicek Gems, sempre atenta a qualidade e excelência do produto para atender às exigências do mercado internacional da alta joalheria, destaca na Hong Kong Jewellery & Gem Fair as pedras turmalina paraíba, rubilita e água-marinha.

Sobre o Precious Brazil

O Projeto Setorial visa apoiar e promover as empresas brasileiras dos segmentos de pedras, bijuterias e joias brasileiras que queiram exportar seus produtos, sejam elas iniciantes, exportadoras ou internacionalizadas. Conduzido pelo IBGM – Instituto Brasileiro de Gemas e Metais Preciosos em parceria com a Apex-Brasil – Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos – o projeto atende atualmente cerca de 160 empresas do setor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *