Colares, brincos, pulseiras e o clássico anel de noivado. Eles trazem à mente a ideia de celebração, romance e durabilidade. Não é à toa que a máxima “Diamonds last forever”, é repetida aos sete ventos. É justamente por isso que os diamantes são usados em pedidos de casamento, já que são associados à ideia de durabilidade, de  eterno assim como o amor.

A questão é que, além do romantismo e do lúdico que envolvem as pedras preciosas, o valor delas é comercialmente mensurável. Quer saber como? Continue com a leitura e descubra o que define o valor de uma pedra preciosa!

Cor

esmeralda

Quanto mais escura e intensa a cor, maior o valor de mercado da pedra. O diamante é uma exceção e funciona de forma contrária: quanto mais transparente, mais valioso. A menos que ele seja de uma cor definida, aí volta a se encaixar na regra das demais pedras coloridas.

Dentro da análise da cor, existem algumas especificações. Tais como posição matriz: trata-se da cor em questão, como verde, vermelha e azul (cores mais populares entre os compradores e que aparecem na esmeralda, no rubi e na safira). Saturação: intensidade da cor; tons mais ricos e fechados, portanto mais intensos, possuem maior valor de mercado. Tom: a pedra absorve tons de claro e escuro ao seu redor e isso também é levado em consideração. Joias são muito usadas durante a noite, então uma pedra mais valiosa deve ficar bem até em ambientes pouco iluminados.

Pureza

joia

Pequenas fragmentações, como inclusões internas nas pedras afetam o seu valor de compra. Quanto menor a quantidade de defeitos do tipo a pedra tiver, melhor. Caso esses defeitos possam ser identificados a olho nu, a pedra definitivamente terá um valor menor. Em situações em que essas pequenas escoriações somente possam ser identificadas com auxílio de instrumentos especializados, a questão da pureza não é mais tão relevante para a precificação. Algumas dessas rachaduras podem impactar a durabilidade da pedra dependendo da sua localização ou profundidade, o que também é levado em conta.

Lapidação

Trata-se de um fator importante. Se uma pedra bruta pura e de cor intensa é considerada de alto valor, a lapidação pode colaborar ou prejudicar o resultado final. Uma pedra mal lapidada não é bem recebida no mercado. É preciso prestar atenção especial à forma, ao estilo de corte, às proporções, à simetria e, por fim, ao acabamento.

Por exemplo, uma pedra facetada corretamente, a luz refletida no interior da pedra nos ângulos corretos para conseguir brilho máximo e cintilação. Por outro lado, o mal calculo dos ângulos dos cortes na gema, acarreta um percurso da luz que não favorece o brilho. Logo, a lapidação, quando bem feita, realça a cor e o brilho da gema.

Tamanho

exclusivo-01

O tamanho da pedra (quantidade de quilates), também é bem relevante. Um quilate é uma unidade de peso para diamantes e outras pedras preciosas. Um quilate é igual a 200 miligramas (0,200 grama, o que equivale a dizer que 1 grama = 5 quilates).

Uma pedra de dois quilates, valerá mais que duas pedras de um quilate cada. Também vale dizer que as pedras possuem densidades diferentes, então pode acontecer de duas pedras do mesmo tamanho possuírem pesos distintos, ou de uma pedra menor ser vendida a um valor mais alto do que uma pedra maior, devido ao valor maior de mercado desta pedra. Por isso é importante observar as descrições das joias antes de comprá-las.

Estas são as principais premissas para a definição do valor de uma pedra. Depois disso elas devem ser aliadas ao gosto pessoal, que é o verdadeiro guia para a compra de qualquer item de estilo. Dentro deste universo, também existem tendências de moda particulares, como as pedras coloridas, que são extremamente diferenciadas.

E você, o que leva em consideração na hora de avaliar uma pedra preciosa? Conte para nós através dos comentários!

Aproveite para baixar um de nossos e-books com dicas exclusivas!Banner Chat Sugerido 3


8 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *